Checklist Rápido sobre Cuidados de Enfermagem no Tratamento da Hanseníase

Você sabia que a Hanseníase é uma das doenças mais antigas da humanidade, com indícios remotos que datam de 600 a.C?

Esse é um fato curioso, não é mesmo?

De acordo com Morhan (Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase) a hanseníase, também conhecida como lepra, é uma doença infecciosa, de evolução crônica (muito longa) causada pelo Mycobacterium leprae, microorganismo que acomete principalmente a pele e os nervos das extremidades do corpo.

Obviamente que no passado ser portador da hanseníase era quase como uma sentença de morte, porém, hoje em dia, com evolução da medicina, a doença pode ser tratada e principalmente curada.

Mas, por que ainda temos que nos preocupar com a hanseníase?

Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia mostram que o Brasil é o segundo país com maior número de casos de hanseníase no mundo, atrás da Índia.

Portanto, infelizmente, a hanseníase no Brasil ainda é um problema de saúde pública.

Mas, nem tudo está “perdido”, a boa notícia é que por aqui o tratamento é oferecido pelo SUS, sem nenhum custo adicional para a população.

E o melhor: os pacientes podem se tratar em casa, com supervisão periódica nas unidades básicas de saúde.

Neste sentido, a enfermagem tem um papel de extrema relevância, tanto na prevenção da hanseníase, ajudando os pacientes a minimizar as consequência da doença, quanto no seu tratamento.

Por isso, separamos um Checklist Rápido e Direto ao Ponto sobre os Cuidados de Enfermagem no Tratamento de Pacientes com Hanseníase.

Preparo para saber mais? Então vamos lá!

Entre na nossa Lista e Receba Conteúdos Exclusivos

Assine nossa Newsletter grátis!

Fique tranquilo, seu e-mail está completamente SEGURO conosco!

11 Cuidados de Enfermagem no Tratamento da Hanseníase

Descubra agora quais são os 11 cuidados vitais que enfermeiro deve seguir para o bom tratamento de pacientes com hanseníase.

1) Administrar a medicação de forma supervisionada;
2) Colher a baciloscopia (enfermeiro);
3) Realizar e/ou acompanhar a avaliação de incapacidades conforme preconizado no Manual de Prevenção de Incapacidades do Ministério da Saúde, 2008;
4) Dar continuidade às ações da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE);
5) Avaliar as condições de pele e orientar medidas de prevenção de ressecamento, com aplicação do uso de hidratantes e lubrificantes;
6) Verificar o comparecimento dos contatos, reforçando a importância do exame dermatológico e da BCG;
7) Monitorar a pressão arterial em pacientes em corticoterapia;
8) Garantir a realização de curativos, quando necessário, conforme protocolo.
9) Realizar o controle da frequência, bem como a convocação dos pacientes faltosos para o tratamento;
10) Educar para o autocuidado, individualmente ou em grupo;
11) Orientar o paciente para reconhecer situações de urgência no tratamento e para qual serviço deverá recorrer em sua região, caso necessite.

Curtiu o conteúdo? Compartilha com seus amigos e colegas enfermeiros 🙂

Você também pode gostar do artigo 9 Dicas Imperdíveis sobre Tratamento de Psoríase, pênfigo, pele escaldada.

Referências

Prefeitura de São Paulo. Protocolo de Assistência a Hanseníase. Disponível em: https://bityli.com/j5HwYl

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Hanseníase: Brasil é o segundo maior país com número de casos. Disponível em: https://bityli.com/66ZDjO

Morhan. O que é hanseníase. Disponível em: https://bityli.com/xFnNy3

Aproveite e Conheça os Cursos de Graduação, Pós-graduação e Atualização da Faculdade Atualiza saiba mais clicando aqui.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *